Endodontia  

endo

Endodontia

Popularmente também conhecido como tratamento de canal, a endodontia é a área da odontologia responsável pela prevenção e tratamento das doenças do interior do dente. O endodontista também atua no tratamento clinicoterápico dos casos de necrose pulpar e suas possíveis complicações como: abscessos, cistos de pequeno e médio porte, dentre outros.

 

Por que tratar o canal?

Infecção:

Quando as bactérias chegam à polpa dental o organismo não consegue combater as bactérias. Assim, as bactérias ganham acesso aos canais e chegam até ao ápice do dente.

Nesta região produzem uma inflamação que após alguns dias, leva à uma perda óssea que pode ser vista na radiografia. Essa perda pode aumentar e levar a perda do dente.

Mesmo que a perda óssea não evolua, a presença destas bactérias em contato com essa região bem vascularizada significa muitas bactérias inoculadas na corrente sanguínea.

Para o corpo, é uma infecção generalizada que traz muitos prejuízos e, por isso, tem que ser combatida a todo instante consumindo energia vital.

 

Sem infecção:

A polpa é viva e responde a todo tipo de trauma que percebe, desde uma cárie na superfície mais externa, quanto ao excesso de calor, frio e pressão (mordida).

Assim como pele ao ser machucada, a polpa também inflama. No entanto, ela não tem espaço para isso pois está contida dentro do dente que é rígido. Assim, a sua própria inflamação produz um pressão que corta o fluxo de sangue e leva a sua morte.

 

Quais são os procedimentos para se tratar um canal dentário?

O tratamento de canal pode ser feito em várias sessões ou em uma única sessão.

Na Prime Núcleo Avançado em Odontologia, utilizamos o método de sessão única, pois entendemos que esse é o método mais seguro e eficaz. Abaixo enumeraremos algumas vantagens sobre a técnica:

  • Menor tempo para o restabelecimento da função e da estética do dente, embora o tempo da consulta seja mais longo. Fato que pode ser minimizado pelo uso de motores e equipamentos eletrônicos próprios para a prática endodôntica;
  • Diminuição do risco de infecção cruzada, devido ao menor número de consultas;
  • Diminuição da administração de fármacos sistêmicos aos pacientes que necessitam de profilaxia antibiótica;
  • Permite a instalação imediata de pinos nos casos em que há a necessidade de próteses fixas.